vitimismo

Onde você aprendeu seu vitimismo???

“Mas eu sou muito azarada mesmo viu, TUDO de ruim acontece comigo!”

Claro… Sabemos que muitos problemas acontecem, mas algumas pessoas assumem uma “segunda personalidade” e vivem na base do “coitadismo”. Já conheceu alguém assim que sofre de vitimismo? É melhor nem tentar compartilhar um problema que você tem com ela, pois exatamente tudo o que ela viveu é SEMPRE infinitamente pior do que você, o caso dela sempre foi MAIS DIFÍCIL e mais sofrido!  O que muita gente não sabe é que este vitmismo pode ser APRENDIDO.

 

Como o vitimismo é aprendido?

Pense na seguinte família: a avó costumava fazer o papel de vítima para chamar a atenção do marido, aí a mãe quando é criança aprende a fazer o mesmo por imitação do comportamento Depois, sua filha segue seu exemplo e usa isso para formar sua estrutura de personalidade (e nem sabe bem porque faz isso…) e pôr fim a neta, que ao observar todo esse cenário, começa a entrar em conflito na escolha com amiguinhos por situações banais, e por aí vai.. é um círculo vicioso!

O vitimismo se baseia, principalmente, pela observação das pessoas ao redor, no seu regime de convivência e em como elas abordam e tratam as situações do dia-a-dia. É claro que, nem todas as pessoas desenvolvem nos mesmos níveis ou intensidade que seus pais, avós e etc, mas é muito provável que ao longo da vida ela desempenha, mesmo que em menor volume, reações similares observadas pelos próximos.

O fato é que, a convivência em ambientes hostis ou, na qual “tudo de ruim parece acontecer comigo”, gera essa toxidade para nossos relacionamentos de maneira geral.

 

Como devo lidar com este tipo de pessoa

Aqui vão algumas dicas práticas que podem ajudar você a administrar melhor a pessoa que se vitimiza:

  •  Substitua julgamento por compaixão

Por mais difícil (ou irritante que seja) que seja, pense que você não sabe pelo que aquela pessoa passou pra chegar neste ponto.

  • Fale mal PARA a pessoa e não DA pessoa

Não saia por aí falando mal da pessoa para os outros, ao invés disse, chame-a para uma boa conversa. Faça perguntas para que ela perceba o quanto este comportamento de vítima só a atrapalha, como por exemplo: pensar que você é azarada, que tem o dedo podre e que tudo acontece com você; vai aumentar sua autoestima ou te jogar mais pra baixo ainda? Vai fazer você se afogar no problema ou vai te trazer possibilidades de solução?

  • Cuidado pra não cair na manipulação emocional

Muitos vitimistas tem o hábito de gerar um sentimento de pena nas pessoas, e, com isso, conseguem atenção.  Cair na tentação de passar a mão na cabeça da vítima, ao invés de trazê-la para à luz da consciência, é algo que só atrapalha.

 

Como ajudá-la a sair dessa?

Existem muitas terapias que podem ajudar neste sentido, mas o mais importante é que a pessoa assuma a responsabilidade pela situação, deixe vitimismo de lado e se livre da autopiedade.

É importante entender que o papel de vítima traz benefícios secundários. Isso quer dizer que, quando a pessoa se retira do protagonismo da sua vida, e culpa os que estão a sua volta por suas dores, ela não precisa assumir a responsabilidade sobre suas dificuldades.

Dessa forma, ela deixa de encarar suas fragilidades, evitando a dor que, naturalmente, faz parte deste processo. Além disso, pessoas assim sempre encontram aquelas que se desdobram para retirá-las desse sofrimento, acabam por tentar suprir tudo o que a vítima diz que precisa, mas sem sucesso.

Lembre-se que a TRANSFORMAÇÃO requer dedicação de uma única pessoa: ELA MESMA. Nós sabemos que FALAR É bem mais FÁCIL do que FAZER. Romper o ciclo destrutivo e agir é mais difícil do que gostaríamos, porém, é necessário.

E se você conhece alguém que é assim e acha muito difícil mudar isso usando apenas sua força de vontade, recomende que ela agende um horário com um bom hipnoterapeuta, para dar uma mãozinha neste sentido. A hipnose é a única terapia que age diretamente na CAUSA do problema libertando a pessoa de padrões emocionais destrutivos, para enfim, assumir o controle da própria vida. Quer saber mais? Então entre em contato pelo WhatsApp agora mesmo!

%d blogueiros gostam disto: